domingo, 28 de outubro de 2007

** Recebido por e-mail **

Se de fato aconteceu, não sei dizer, mas não duvido que possa ser verdade! segue mensagem...

SENTENÇA INUSITADA DE UM JUIZ, POETA E REALISTA
Esta aconteceu em Minas Gerais (Carmo da Cachoeira).

O juiz Ronaldo Tovani, 31 anos, substituto da comarca de Varginha, ex-promotor de justiça,
concedeu liberdade provisória a um sujeito preso em flagrante por ter furtado duas galinhas
e ter perguntado ao delegado: 'Desde quando furto é crime neste Brasil de bandidos?'

O magistrado lavrou então sua sentença em versos:

No dia cinco de outubro
Do ano ainda fluente
Em Carmo da Cachoeira
Terra de boa gente
Ocorreu um fato inédito
Que me deixou descontente.

O jovem Alceu da Costa
Conhecido por 'Rolinha'
Aproveitando a madrugada
Resolveu sair da linha
Subtraindo de outrem
Duas saborosas galinhas.

Apanhando um saco plástico
Que ali mesmo encontrou
O agente muito esperto
Escondeu o que furtou
Deixando o local do crime
Da maneira como entrou.

O senhor Gabriel Osório
Homem de muito tato
Notando que havia sido
A vítima do grave ato
Procurou a autoridade
Para relatar-lhe o fato.

Ante a notícia do crime
A polícia diligente
Tomou as dores de Osório
E formou seu contingente
Um cabo e dois soldados
E quem sabe até um tenente.

Assim é que o aparato
Da Polícia Militar
Atendendo a ordem expressa
Do Delegado titular
Não pensou em outra coisa
Senão em capturar.

E depois de algum trabalho
O larápio foi encontrado
Num bar foi capturado
Não esboçou reação
Sendo conduzido então
À frente do Delegado.

Perguntado pelo furto
Que havia cometido
Respondeu Alceu da Costa
Bastante extrovertido
Desde quando furto é crime
Neste Brasil de bandidos?

Ante tão forte argumento
Calou-se o delegado
Mas por dever do seu cargo
O flagrante foi lavrado
Recolhendo à cadeia
Aquele pobre coitado.

E hoje passado um mês
De ocorrida a prisão
Chega-me às mãos o inquérito
Que me parte o coração
Solto ou deixo preso
Esse mísero ladrão?

Soltá-lo é decisão
Que a nossa lei refuta
Pois todos sabem que a lei
É prá pobre, preto e puta...
Por isso peço a Deus
Que norteie minha conduta.

É muito justa a lição
Do pai destas Alterosas.
Não deve ficar na prisão
Quem furtou duas penosas,
Se lá também não estão presos
Pessoas bem mais charmosas.

Afinal não é tão grave
Aquilo que Alceu fez
Pois nunca foi do governo
Nem seqüestrou o Martinez
E muito menos do gás
Participou alguma vez.

Desta forma é que concedo
A esse homem da simplória
Com base no CPP
Liberdade provisória
Para que volte para casa
E passe a viver na glória.

Se virar homem honesto
E sair dessa sua trilha
Permaneça em Cachoeira
Ao lado de sua família
Devendo, se ao contrário,
Mudar-se para Brasília!

3 comentários:

Guilherme Gurgel disse...

Bem interessante. Não creio que seja real, mas deve ser inspirado em casos reais.

No início deste ano eu pensava em cursar Direito, mas depois de pensar melhor não acho que gostaria de exercer uma profissão envolvida com a "justiça" deste nosso país.

Roberta disse...

OI Guilherme! O curso de direito durante certo tempo tb me fascinou, aliás, ainda me fascina... a capacidade - ou se pode dizer *talento* - que certos advogados têm, sua capacidade de persuasão, que, aliados ao conhecimento dos dipositivos legais, conseguem, no campo da justiça criminal, achar brechas na lei e inocentar os mais improváveis acusados. Realmente concordo, no campo do Direito Criminal é preciso ser mto frio para defender alguém que tem cara de culpado, não?
Abs... :-) Roberta

Daniduk disse...

Nossa, amei, bendito juíz! rs